Álcool na Amamentação

Tema polêmico à vista! Vamos falar de evidências e não de achismos? Afinal, pode álcool na amamentação?

De acordo com o Dr Carlos Gonzáles (pediatra que é uma das maiores autoridades em Amamentação), após o consumo de álcool, a mulher terá uma quantidade similar de álcool presente no sangue também no leite materno. Certo? Até porque é através do sangue que o álcool chega no leite materno.

No Brasil uma bebida é considerada não alcoólica quando possui menos de 0,5% de álcool.

Uma mãe que bebe 60ml de vodka (que tem 40% de álcool) terá um nível de álcool no sangue de cerca de 0,02%!
Isso falando de vodka. Uma cerveja tem cerca de 6% e o vinho cerca de 12% de álcool.

Portanto, uma mãe bebendo com moderação terá uma concentração de álcool no sangue e no leite de cerca de 0,05%: ainda bem abaixo do 0,5% da bebida não alcoólica!

Isso significa que quem amamenta pode beber como se não houvesse amanhã?

Não! Significa que uma mãe que amamenta pode, quando desejar, beber com moderação uma cerveja, um vinho ou um drink.

Ainda assim a recomendação é de aguardar o bebê completar pelo menos 3 meses de vida. E, se possível, aproveitar para beber um drink após a mamada, tentando dar algum intervalo (novamente: se possível!).

Sem peso na consciência. Sem preocupação se vai fazer mal para o bebê. Sem precisar abdicar de mais alguma coisa para ser mãe e amamentar. Com informação!

Quanto ao excesso: nesse caso, cuidado! Pode reduzir a produção e ejeção do leite materno.

Moderação é a palavra chave. Ok?

PS: marca uma mãe que amamenta. Informação é poder! 😉😘

Bebida alcoólica: pode?

É sexta-feira, final de semana… e a marvada aparece! Não é? 🙈

 Se você está em busca de emagrecimento ou hipertrofia: não vou te enrolar. Sim, o álcool atrapalha bastante!

 Temos em cada grama de álcool 7kcal. Mais que o carboidrato e as proteínas (que tem 4kcal!). Boa parte dessas “calorias vazias” vão ser acumuladas na forma de gordura. Além disso álcool se associa a desidratação e a piora da microbiota intestinal!

 Credo! Não pode beber então? 😧

 Eu penso que se você gosta (eu também gosto!) pode sim. Com moderação e com CONSCIENTIZAÇÃO!

 Sabe o que falamos sobre prestar atenção nas exceções alimentares? Escolher bem, avaliar se realmente está com fome, se realmente está com vontade de comer aquela besteira e se não está comendo por impulso?

 Essa mesma consciência deve acompanhar a escolha da bebida alcoólica. Não beber simplesmente porque todo mundo está bebendo. Não beber qualquer coisa. E sobretudo: não beber até cair.

 Bebida alcoólica também deve ser escolhida, observada e saboreada!!

 Portanto: curte, bebe algo bom, devagarinho, sente o sabor, intercala com água (ou água de coco, água com gás, Kombucha…) e seja feliz! Você não precisa de álcool pra isso! 😝😘

Kombucha

Você conhece uma bebida chamada kombucha?

 A kombucha é um chá (verde ou preto) fermentado por bactérias e leveduras específicas, se caracterizando como uma bebida com probióticos, ou seja, uma fonte de bactérias boas!

 Na produção temos o chá, as bactérias e leveduras e é acrescentado açúcar. Porém esse açúcar é utilizado para o desenvolvimento da colônia. Restando quase nada no momento do consumo.

 O produto final é uma bebida gaseificada, levemente ácida e adocicada.

 Os benefícios são muitos: temos muitos fitoquímicos do chá, melhora da função intestinal, auxílio no emagrecimento, aumento da imunidade, auxílio no controle de infecções urinárias ou candidíase de repetição… e por aí vai! 

 É possível comprar pela internet a “panqueca” de bactérias (o scoby) e fazer sua kombucha em casa ou então comprar pronta a versão tradicional ou saborizada! Algumas sabores lembram uma cerveja ou champagne, podendo ser uma alternativa para quem quer beber algo diferente em eventos sociais e fugir do álcool! 😉

Álcool na gravidez

Pode ingerir álcool na gravidez?
Confere aqui sobre o assunto e compartilha com a sua amiga grávida!