Gordura abdominal

gordura abdominal

Seria lindo poder perder única e exclusivamente gordura abdominal né? 
Maaaasss na prática não é bem assim que funciona! Cada pessoa responde de uma forma, mas via de regra o emagrecimento costuma acontecer de modo mais proporcional.

 Porém, existem estudos que associam o consumo frequente e excessivo de alimentos com alto índice glicêmico (açúcar, farinha branca, etc) e seu pico de insulina com consequente acúmulo de gordura, ESPECIALMENTE na região abdominal.

 Já viu aquela pessoa que malha, malha… até melhora a composição corporal mas não reduz a barriguinha de jeito nenhum? Então! O problema nesse caso pode estar justamente na alimentação! 

Como perder a gordura abdominal?

Alguém aí quer perder gordura na região abdominal? Difícil é quem não quer né! 😛
A boa notícia é que existem estratégias nutricionais que otimizam a perda de gordura justamente nessa região indesejada.
Acompanha o vídeo pra saber como!

 

Açúcar vicia!

açúcar cocaína

Talvez você não saiba, mas o açúcar ativa as mesmas áreas cerebrais que a cocaína!
Inclusive um estudo com ratos testou ofertar cocaína ou água com açúcar a eles e pasmem: o açúcar promoveu maior vício (8x mais), com sintomas de dependência e crise de abstinência!

Talvez você esteja pensando: ah, eu não uso tanto açúcar assim! Um pouquinho no café, um docinho de vez em quando…

Será mesmo? O açúcar está bastante difundido nos produtos industrializados: refrigerantes, sucos, bolachas, pães (inclusive integrais!), molhos de tomate, barras de cereal, iogurtes e por aí vai… inclusive muitos produtos light/diet e com destaque para o seu baixo percentual de gordura ou baixo valor calórico estão abarrotados de açúcar.
Nos rótulos o açúcar pode aparecer com diferentes nomes, como por exemplo: açúcar, sacarose, açúcar invertido, maltodextrina, dextrose, xarope de milho, glicose e frutose.

E MUITOS problemas de saúde (como ovários policísticos, pré diabetes, diabetes), baixa disposição ou aquela gordurinha abdominal que insiste em não ir embora estão muitíssimo associadas a ele: o açúcar.

O que ocorre é que o açúcar em excesso ou sem estar associado a fontes de fibra tem uma absorção muito rápida em nosso corpo.

Com isso o hormônio insulina, responsável por colocar o açúcar do sangue dentro das células, também aumenta muito rápido, armazenando o açúcar na forma de gordura (sobretudo abdominal) e te deixando novamente com níveis baixos de açúcar no sangue.

O resultado? Vontade de comer doce novamente para ter disposição! Aí você acaba comendo novamente mesmo ou tenta resistir e fica com aquela preguiça!

Com o passar do tempo seu pâncreas não dá mais conta de produzir tanta insulina e você começa a ter mais acúmulo de açúcar no sangue, levando ao pré-diabetes e posteriormente ao diabetes. Esse quadro está associado ainda a processos inflamatórios relacionados a outras doenças, especialmente as cardiovasculares.

Pra quem tem essa dependência de açúcar (acreditem: eu já tive!) pode parecer muito difícil reverter isso. E muitas vezes pode ser um processo demorado mesmo… mas é totalmente possível e você ganha outra qualidade de vida!
O nosso paladar se adapta ao sabor menos doce e a dependência física vai reduzindo conforme reduzimos a oferta.

Tratamento nutricional com ajuste dietético, suplementação de nutrientes e recuperação intestinal auxiliam muitíssimo nesses casos.

“Não como quase nada e engordo”

pássaro dieta

A frase é (MUITO!) comum e apesar de parecer fantasiosa (claro que às vezes é mesmo!) pode acontecer. Se é o seu caso vamos tentar entender o que pode estar acontecendo?

1) Você passa muito tempo em jejum
– Muitas vezes com o intuito de emagrecer as pessoas se equivocam achando que é melhor pular o café da manhã ou o jantar já que não sentem fome. Péssima atitude!
Longos períodos em jejum facilitam o ganho de peso por dois motivos: você sente mais fome e come mais na refeição seguinte e/ou seu metabolismo se torna lento!
Essa lentidão ocorre porque o nosso corpo trabalha a partir da ideia de que precisamos de estoque armazenado para eventuais períodos de falta de alimento. Se passarmos muito tempo sem comer haverá um maior estoque desses nutrientes, o que faz com que não só o nosso depósito de gordura aumente como também com que a gordura já estocada seja poupada!

2) Você não mastiga bem os alimentos
A mastigação adequada promove mais saciedade e uma digestão muito melhor. Se comemos em 10 minutos temos a tendência de comer muito mais do que se levássemos 20 minutos para a mesma refeição!

3) Você é estressado/ansioso/dorme mal
Como expliquei no post sobre medida abdominal esse é outro grande vilão. Você aumenta sua produção de cortisol e no dia seguinte tem mais fome, menos saciedade e naturalmente maior acumulo de gordura abdominal.

– Por último, mas não menos importante:

4) Você prioriza os industrializados
É o erro mais frequente e também o que as pessoas tem mais resistência a modificar!
Você começa a fazer dieta e vai logo mudando:
– Pão integral, torrada light, bolacha de água e sal, margarina light, adoçante, geleia diet, peito de peru light, suco light, refrigerante zero… acertei?

Péssimos aliados do emagrecimento!
Já falei de alguns deles por aqui e cada um merece realmente um post especial e uma boa conversa pra uma explicação detalhada pelo seu nutricionista.
Mas resumidamente: são alimentos que “vendem” saúde mas que de um modo geral são fontes mesmo é de gordura trans /corantes /conservantes, etc. Atrapalham o seu metabolismo e por estarem no dia a dia acabam boicotando muito mais o seu processo de emagrecimento do que aquele bolo ou fritura que você come eventualmente já que está consciente de que não te ajuda!

Como reduzir a circunferência abdominal?

“Nutri eu não consigo perder a barriga!”
Nossa, como eu ouço essa queixa!

barriga

Se é o seu caso também, vou trazer algumas dicas que podem ajudar a clarear um pouco o que pode estar acontecendo e te atrapalhando:

1) Estresse / sono ruim – se dormimos pouco ou somos muito estressados temos níveis elevados de cortisol. Níveis elevados desse hormônio estão associados a maior acúmulo de gordura abdominal, bem como menos saciedade e maior vontade de comer doces!

2) Consumo excessivo de alimentos com elevado índice glicêmico – esses alimentos liberam açúcar rapidamente e também rapidamente são acumulados como gordura (especialmente em região abdominal!) se você não vai se exercitar após seu consumo. Alguns exemplos: açúcar, pão branco, farinha comum, bolachas, etc. Outra desvantagem dessa absorção rápida é que você acaba sentindo fome mais cedo!

3) Consumo frequente de alimentos com característica inflamatória – açúcares, frituras e alimentos excessivamente processados inflamam o nosso organismo. Se o tecido adiposo (camada de gordura) está inflamado produz substâncias que dificultam bastante o emagrecimento e a redução dessa medida – bem como acarretam risco para uma série de doenças.

A solução para a redução da medida abdominal, portanto, são mudanças no estilo de vida.

Com uma alimentação saudável – priorizando alimentos de médio e baixo índice glicêmico e utilizando alimentos anti-inflamatórios prioritariamente – é possível regular cada um dos pontos citados acima.

Em alguns casos o uso de fitoterápicos (na forma de infusões ou extratos) pode auxiliar muito também (por exemplo na modulação do estresse e na regulação do sono).

Converse com seu nutricionista!