Shoyu: como escolher?

shoyu

Gosta de usar molho shoyu?

A primeira coisa a saber é que se trata de um molho com MUITO sódio, que como vocês já sabem, se em excesso, está associado a aumento da pressão arterial, doenças cardiovasculares e inchaço corporal.
Portanto: moderação!

E outra questão não menos importante é saber escolher o melhor (ou menos pior) dentre as opções do mercado. E para isso, como sempre, o melhor é ler a lista de ingredientes!

Dá uma olhada na lista desses 2 molhos da imagem. O da esquerda possui bem mais ingredientes, incluindo vários com nome estranho, não é? Isso nunca é um bom sinal!
Já o da direita possui apenas 3 ingredientes sendo todos conhecidos! Bem melhor!

Cabe destacar 2 ingredientes péssimos para a saúde que são comuns nesse tipo de molho (além de em outros produtos como caldos prontos, sopas prontas, macarrão instantâneo, dentre outros) e que você deve fugir:

Glutamato monossódico: Substância que tem como função intensificar o sabor (especialmente o salgado) do alimento através da excitação das papilas gustativas. Quanto mais você consome alimentos com glutamato mais tende a preferir essas opções e achar frutas/verduras muito “sem graça”.
Esse realçador tem sido associado a alterações em Sistema Nervoso Central, levando a quadros de enxaqueca, confusão mental, perda da memória e cognição.
Além de estar bastante relacionado a sintomas digestivos como azia, gastrite e refluxo.

Corante caramelo: Corante considerado possivelmente cancerígeno desde que estudo americano encontrou associação entre seu consumo por ratos e aumento na incidência de câncer.
Presente também na Coca-cola!

Enxaqueca x Nutrição

enxaqueca

Você sabia que alimentação e enxaqueca estão bastante relacionados?

Atendo muitos pacientes com essa queixa. Geralmente não me procuram por esse motivo, vêm em busca de emagrecimento ou controle de doenças crônicas… mas ao aplicar uma anamnese mais detalhada essa queixa aparece. E é grande a surpresa deles ao ver os episódios e intensidade das enxaquecas significativamente reduzidos após reeducação alimentar.

Um dos principais fatores associados à enxaqueca é o estado prolongado de jejum, provavelmente relacionado à níveis aumentados de corpos cetônicos.

Há também muitos alimentos associados à enxaqueca por não serem individualmente bem metabolizados, por levarem à vasoconstrição e/ou alteração no fluxo de oxigênio no sistema nervoso central.
Alguns dos mais comuns são: café, cacau, vinho tinto, queijos, embutidos, adoçantes, produtos com glutamato monossódico e frutas cítricas. Em muitos casos precisa ser feita a exclusão desses alimentos com posterior re-inclusão gradual para teste dos sinais e sintomas.

Além dos fatores dietéticos o controle do estresse e da qualidade do sono é também de suma importância, já que níveis elevados de cortisol estão também associados a enxaqueca.

Se você sofre com enxaquecas não pense em resumir o seu tratamento à medicações. Procure um nutricionista: ele irá avaliar o seu caso, os potenciais gatilhos da sua enxaqueca e trabalhar com reeducação alimentar e com suplementação de nutrientes para promover esse controle.