Organização na alimentação – parte 2!

Ontem dei algumas dicas de organização pra conseguir seguir com a alimentação saudável.

 Pros dias mais corridos e/ou menos organizados existem ainda aquelas opções mega rápidas de preparar, como omelete ou atum. Por aqui, de vez em quando eles salvam! Né? 😂

 Aí tem saladinha básica (que já tava lavada)  macarrão de feijão (provei hoje e adorei, mas poderia ser outra massa!) com atum – sendo que o molho de tomate bem temperadinho eu já tinha congelado também.
Ou seja: rapidíssimo, gostoso e saudável!  E aí, qual a opção você costuma usar nos dias mais corridos (ou preguiçosos né! Sejamos sinceros! 😝)?

Pastinha de atum

Gosta de pastinha de atum? 

 E qual a base da sua pasta? Maionese? Requeijão? 

 Testa substituir por abacate! Simplesmente esquece o preconceito com o abacate salgado (se você tiver) e experimenta. Fica mara! 

 Você vai usar 1 avocado (ou meio abacate) pra 1 latinha de atum (em óleo e escorre bem). Acrescenta pimenta moída e orégano ou outros temperos da sua preferência. Prontinho! 

pasta de atum

Atum: qual escolher?

Você já se deparou com essa dúvida no supermercado? Afinal: qual a melhor opção de atum? Em óleo? Ou em água (light)? Confere aqui a resposta!

Patê de Atum

Fazer patê em casa é sinônimo de colocar maionese? 😥
👉 Não precisa! Confere essa receitinha super simples que eu adoro!

Patê de atum

patê atum
Ingredientes:
1 lata de atum em óleo (escorrer bem e desprezar o óleo)
3 col. sopa de queijo cottage
Salsinha ou cebolinha picada a gosto
Pimenta moída a gosto

Preparo:
Misture e sirva! 😉

Atum em lata: qual escolher?

Até já tinha falado sobre esse assunto por aqui, mas recebi novamente essa dúvida:
“Ana, qual o melhor tipo de atum?”

Você sabe?

atum em lata

-> Em óleo!!

Sim! Muita gente acha que o light seria o mais indicado, porém a versão em óleo é melhor!

Isso porque o alumínio da lata tende a migrar para a superfície mais oleosa. Se o atum está envolto em água, o alumínio migra bastante para o próprio atum e você acaba ingerindo alumínio por tabela (e tudo o que o seu corpo não usa tende a se acumular na sua gordura corporal e sobrecarregar fígado, atrapalhando seu metabolismo e emagrecimento – isso só pra resumir a ópera).

Por outro lado, se o atum está envolto por óleo o alumínio tende a migrar justamente para esse óleo, protegendo o atum! Portanto: opte pela versão em óleo e elimine esse óleo ao consumir! 😉

E o atum com molho?
É a opção que tem mais corantes, conservantes e aditivos de modo geral. Costuma também ser a opção com mais sódio! Quer atum com molho? Faça seu molho! 🙂

Ficou com dúvidas sobre o assunto? Entra em contato, vai ser um prazer te responder!

Bolinhos de aipim com atum

bolinho de aipim com atum

Final de semana tem tudo a ver com petisco né? <3

E se for saudável, fácil de fazer e uma delícia muito melhor! 😛

Bolinhos de aipim com atum
Ingredientes:

– 500g de aipim cozido
– 1 lata de atum em óleo (escorrer bem)
– 1 xícara de aveia
– 1 ovo caipira
– Salsinha à gosto
– Sal à gosto
– Azeite de oliva e curry para enrolar

Preparo:
Amasse bem o aipim e misture com os demais ingredientes. Leve ao forno médio por cerca de 25 minutos.

Receita da @cristozzonutri

Qual o melhor tipo de atum?

atum tipos

Essa dúvida é bastante comum, talvez seja a sua também:

“Nutri, qual atum é o melhor?”

Primeiro item a ser observado: lista de ingredientes! E por ela a gente já exclui a opção com molho, certo? Afinal, contém açúcar, glutamato monossódico e aditivos!

E entre os outros? Melhor em água ou em óleo?

-> Em óleo! Isso mesmo!

O óleo em volta do atum auxilia a preservar o ômega 3 do peixe. Além disso, o protege de contaminação pelo alumínio da lata! Isso porque o alumínio tende a migrar para o óleo. Se o peixe está envolto em óleo o alumínio se concentra no mesmo, enquanto que se está envolto apenas em água migra para o peixe!

Mas não é pra usar esse óleo da lata nas preparações viu? Sempre procure escorrer bem antes de usar. 😉

Atum e mercúrio

atum

No post anterior falei sobre um dos xenobióticos (são compostos estranhos, que nosso corpo não utiliza e se acumulam, nos intoxicando) a que estamos expostos: o mercúrio.

Mas tá nutri, e aquele sashimi esperto de atum, não pode mais? 🙁

Bom, o atum será ainda mais concentrado em mercúrio dessa forma: cru.

Mas podemos fornecer ao nosso corpo nutrientes para eliminar esse excesso de mercúrio. Ou seja, fazer a famosa detox! 😉

Quer 2 boas sugestões de estratégia?
Coma seu sashimi com gengibre e após beba um chá verde! Ambos vão estimular o seu fígado a trabalhar e a fazer uma boa detoxificação do mercúrio e de outros xenobióticos.

Peixes e mercúrio: qual a relação?

mercúrio

O mercúrio é o principal metal pesado presente nas águas. A contaminação ocorre pela queima de combustíveis fósseis (gasolina, óleo, diesel, carvão) que do ar acabam precipitando nos mares e contaminando os peixes lá existentes.

O mercúrio é considerado o terceiro metal mais tóxico para o organismo! A intoxicação por ele está associada a neurotoxicidade, nefrotoxicidade, toxidade gastrintestinal e tem sido associada a maior incidência de Tireoidite de Hashimoto.

Precisa excluir o peixe?
Não! Mas é interessante evitar os peixes grandes (predadores) e gordurosos, como o cação e o atum, que são opções que acumulam bastante mercúrio.
Melhor os peixes menores, como sardinha, dourado, merlusa, pescada, entre outros.

Dietas hiperproteicas: qual o risco?

No dia 29/07 estive no Programa Tudo+ da TVCOM falando sobre dietas hiperproteicas e seu risco para a saúde quando há excesso de fontes proteicas e restrição de outros alimentos.
Na entrevista trouxe outras dicas também, confere que está bem interessante. 😉