Álcool na Amamentação

Tema polêmico à vista! Vamos falar de evidências e não de achismos? Afinal, pode álcool na amamentação?

De acordo com o Dr Carlos Gonzáles (pediatra que é uma das maiores autoridades em Amamentação), após o consumo de álcool, a mulher terá uma quantidade similar de álcool presente no sangue também no leite materno. Certo? Até porque é através do sangue que o álcool chega no leite materno.

No Brasil uma bebida é considerada não alcoólica quando possui menos de 0,5% de álcool.

Uma mãe que bebe 60ml de vodka (que tem 40% de álcool) terá um nível de álcool no sangue de cerca de 0,02%!
Isso falando de vodka. Uma cerveja tem cerca de 6% e o vinho cerca de 12% de álcool.

Portanto, uma mãe bebendo com moderação terá uma concentração de álcool no sangue e no leite de cerca de 0,05%: ainda bem abaixo do 0,5% da bebida não alcoólica!

Isso significa que quem amamenta pode beber como se não houvesse amanhã?

Não! Significa que uma mãe que amamenta pode, quando desejar, beber com moderação uma cerveja, um vinho ou um drink.

Ainda assim a recomendação é de aguardar o bebê completar pelo menos 3 meses de vida. E, se possível, aproveitar para beber um drink após a mamada, tentando dar algum intervalo (novamente: se possível!).

Sem peso na consciência. Sem preocupação se vai fazer mal para o bebê. Sem precisar abdicar de mais alguma coisa para ser mãe e amamentar. Com informação!

Quanto ao excesso: nesse caso, cuidado! Pode reduzir a produção e ejeção do leite materno.

Moderação é a palavra chave. Ok?

PS: marca uma mãe que amamenta. Informação é poder! 😉😘